Os gastos extras de janeiro não são imprevistos

Todo ano é a mesma coisa desde que me entendo por gente! Janeiro é o mês em que está todo mundo “apertado” de dinheiro. Fico impressionada com nossa capacidade de inventar desculpas para nós mesmas. Com todo amor do mundo, eu te digo: está na hora de assumirmos que os gastos extras de janeiro NÃO SÃO IMPREVISTOS.

Imprevistos acontecem na nossa vida com alguma frequência. É o carro que quebra, geladeira que queima, doença que nos impede de trabalhar. A frequência com que imprevistos acontecem é MUITO MENOR do que a gente pensa. O que acontece é que temos vários gastos que saem da rotina, para os quais precisaríamos, no mundo ideal, nos preparar antes. Enquanto o mais comum é parcelarmos, e arcarmos com as más consequências desse hábito sem perceber.

Alguns exemplos:

  • Desde que você tem carro, você sabe que o boleto do IPVA chega no começo do ano.
  • Desde que seu filho está em escola particular, você precisa pagar a rematrícula.
  • Desde que você é proprietária de um imóvel, você precisa pagar o IPTU.
  • No reveillon ou nas férias, você costuma viajar e gastar um pouco a mais.
  • No Natal você gasta um pouco mais para comprar aqueles presentes da família e dos amigos-secretos, e passando no cartão tudo vira fatura alta em janeiro.

O que sua versão sem planejamento fazia até hoje era:

  • Passava um mês de janeiro super apertada ou preocupada ou no vermelho
  • Parcelava as compras e pagamentos todos. O que implica em ficar os próximos meses do ano convivendo com aqueles pagamentos e perder os excelentes descontos que geralmente se obtém quando pagamos coisas à vista ou antecipado.

O que sua versão de agora fará, é o seguinte:

  • Fazer um levantamento desses gastos “fora da rotina” que você tem de acordo com seu estilo de vida
  • Descobrir quanto custam todas essas coisas
  • Dividir por 12, ou 11, ou 10 e chegar ao valor de quanto você precisara poupar por mês para chegar no próximo mês de janeiro com o dinheiro suficiente para pagar tudo sem estresse ou preocupação

Nesse meio tempo, você vai aprendendo a investir esse dinheiro de curto prazo e aperfeiçoando seu método de acompanhamento dos gastos e salários. Numa evolução constante.

E, o primeiro passo, como sempre, já pode ser dado agora: tomar uma decisão no sentido de ter a organização financeira que você quer para construir a vida que você merece.