Os 7 ERROS da minha viagem à Londres – ou como fazer tudo errado e sem planejamento!

Nem sempre fui coach financeira, vocês devem imaginar. Embora eu trabalhe com assuntos relacionados à finanças pessoais há muitos e muitos anos, vivi uma fase na qual cometi uma sucessão de erros financeiros.Buckinghan Palace, Londres, intercâmbio, Inglaterra

Londres sempre havia sido meu sonho. Acabei fazendo primeiro meu intercâmbio nos EUA porque era mais barato, mas a Inglaterra continuou no meu coração e cinco anos depois eu realizaria o sonho de ir para lá. Só que eu poderia ter feito meu planejamento financeiro muito melhor!

Ao longo de 2010 e 2011, comecei a juntar dinheiro para o Projeto Londres. ERRO 1: guardei o dinheiro na poupança!!! Sei lá, eu pensava na época que Tesouro Direto era um investimento no qual a gente não podia mexer de jeito nenhum… que besteira!

Cheguei a poupar um valor bem relevante para a viagem. Foi quando, no início de 2011, bati o meu carro (perca total!). ERRO 2: em vez de comprar outro carro do mesmo preço e categoria, usando apenas o dinheiro que recebi de indenização do seguro, peguei todo aquele dinheiro da poupança (e mais um pouco emprestado da minha mãe) para comprar um carro mais caro. Prepare-se para o ERRO 3 [combo]: fiquei zerada de reservas e não calculei o aumento dos meus gastos fixos com a compra de um carro superior (mais gasolina, IPVA mais caro, seguro mais caro, pequenas manutenções iniciais).

Eis que esse aumento no meu nível de gastos impossibilitou que eu juntasse qualquer grana nos meses seguintes. No entanto, mesmo assim, decidi ir para Londres em janeiro de 2012. ERRO 4: peguei um empréstimo!!! Para pagar meu intercâmbio de um mês na Inglaterra – o que incluiria os valores de passagem, acomodação, 1 mês de curso de inglês, e o dinheiro para sobreviver na cidade mais cara do mundo.guard, queen guards, England guards, Inglaterra, Londres

ERRO 5: assim que coloquei o pé em Londres, esqueci que a vida é sincera que precisava fazer contas. Perdi meu cartão pré-pago no quinto dia de viagem e nos 10 dias que a empresa levou 10 dias para me enviar outro cartão pré-pago, gastei no CARTÃO DE CRÉDITO como se não houvesse amanhã. Quando meu cartão pré-pago chegou, os créditos que eu havia planejado usar durante toda minha estadia de 1 mês em Londres se esgotou em 1 semana! O que eu fiz nos demais dias? Voltei a gastar tudo no cartão de crédito!

Lá no fundo eu sabia que esse comportamento não combinava com minhas condições de renda na época. ERRO 6: Entre 2011 e 2012 eu fazia pós-graduação em economia e minha mensalidade era bastante alta para meu salário da época. Eu poderia ter deixado meu intercâmbio para após o término do curso? Sim. Mas quis fazer no meio, mesmo sabendo que pagar a mensalidade + as parcelas do empréstimo ficaria muito pesado!

A minha fatura na volta de Londres era impagável. De volta ao Brasil, precisei fazer um novo empréstimo para quitar aquela dívida, o que estendeu ainda mais o prazo do meu empréstimo inicial e acarretou muito mais juros 🙁

ERRO 7: Não priorizei a quitação do meu empréstimo, para antecipar prestações futuras, abater os juros e ficar livre mais rápido. Não. Fiquei 27 f* meses convivendo com aquela dívida relacionada a uma viagem feita dois anos atrás – o que fez minha vida e novos sonhos ficarem estagnados por todo esse tempo.

Não me arrependo de nenhuma forma em ter ido para Londres. Aliás, acredito que viagem é dos melhores investimentos que podemos fazer por nós mesmas – você nunca volta a mesma pessoa! Você expande seus horizontes, faz amigos, conhece novos sabores, cheiros, climas, outros modos de vida. Mas há formas muito mais inteligentes de se planejar para um gasto significativo como este. PLANEJAMENTO É A CHAVE para você ter sucesso em tudo o que quiser!

Espero que meus erros do passado lhe ajudem a evitá-los. Eu aprendi muito com a experiência.

Para ajudar mais um pouco, preparei esse infográfico com minhas dicas para você realizar o sonho de fazer um intercâmbio. Sem dívidas!